Esposende Sport Club
E.S.C.
Recordar é viver …
Decorria a época desportiva de 1964, com o ESC a disputar grandes jogos contra adversários de valor, em termos regionais e distritais. No “Campo Padre Sá Pereira” passaram equipas como Gil Vicente, Famalicão,Vizela, Fafe,. Monção, Riopele (de Mascarenhas…), Limianos, Vianense e muitos outros clubes.
Nessa época e posteriores, no ESC notabilizou-se o Tião Saganito, , um jogador de baixa estatura mas era possuidor de uma genica e de uma garra que era um exemplo para todos nós , esposendenses e para muitos forasteiros que presenciaram as suas exibições.
Quase todas as equipas adversárias do ESC possuíam os seus “craques”, aqueles jogadores que faziam a diferença: Remígio, Djunga, Tatá , Cané, Pacheco, Hassan Ali, Caçador, e o ESC tinha também um craque de “1ª grandeza,” o Fernando “ Inheco”, um prodígio de técnica, força, de remate fortíssimo e muito colocado. Passou ao lado de uma grande carreira futebolística.
O Tião Saganito pura e simplesmente, “secava” as vedetas, com a sua raça, poder de antecipação e um elevado poder de impulsão.
Nos terrenos encharcados, o Tíão reinava e os seus oponentes directos, passavam ao lado do jogo.
O Tião Saganito era difícil de torcer porque a sua vida profissional foi passada no mar, na catraia, remando com a restante tripulação da embarcação, calejando as suas mãos porque efectivamente a vida nesse tempo era dura.
O Tião vinha do mar e mal chegava à terra, comia uma côdea de pão, uma malga de sopa de papas, uma faneca frita e logo a seguir ia treinar no campo, pela tardinha.Quando ia treinar, o Sol fugia a “sete pés”, ocultando-se no horizonte, despedindo-se dos esposendenses…
Não havia iluminação no Campo pelado do P. Sá Pereira e muitas vezes treinava-se ao luar, com chuva , sol ou nevoeiro, eis o Tião a treinar como um “leão” com os seus colegas de equipa.
Na imagem, o Tião continua a trabalhar árduamente , apanhando isca para os pescadores desportivos de ocasião , como eu, outrora era o “campeão” da pesca à boinha onde o cacifo se enchia sempre de erigos/mujos, pescados quando a maré estava a encher e o Carlinhos lá estava nas “coroas”-areais”- emboscado com os seus anzóis nºs 10 e 11. os incautos erigos…
Procurar o Tião Saganito, é apenas, dar um salto ao Sul, na marginal perto da Rua dos Pescadores e lá está ele, nas suas calmas, sentindo o cheiro do lodo e do limo e esperando pela maré- baixa ou baixa-mar para ir à isca.
Outrora, “pescava “vedetas” no campo, agora “pesca”, com a sua sachola , a isca que é vendida na marginal, ganhando a vida com trabalho e muita dignidade.
O Tião brilhava, com apoio da restante equipa, defendendo e atacando , e chegou a marcar alguns golos., especialmente quando o terreno estava”pesado” e aí tinha uma força física invejável.
O Graça e Augusto,( Guarda-redes), Passos Chino, Carvalho, Tião, algumas vezes o M. Rex, e outros defensores, que a minha memória não recorda, formavam um quarteto defensivo de respeito..
Ganhavam-se muitos jogos a equipas muito fortes e com outros recursos e não era só o Tião que jogava, como é natural. Ganhava-se porque existiam excelentes jogadores no ESC, para além dos previamente referidos que ajudavam às vitórias: António Pinto, Sotero, Cruz, Fininho M. Losa, L. Laguna, João Vilarinho, ainda muito jovem, Fernando “Inhenco” e outros atletas intervenientes.
Ao Tião , ( e demais colegas da equipa) o meu muito obrigado pela alegria que me deu , como criança, pelas vitórias alcançadas e ainda me lembro das vitórias conseguidas contra o Fafe ( 4-1 e 3-0 ), Vianense ( 2-1 e empate 2-2 ).

Por:
Carlos M. Lima Barros

Anúncios