Artur Dias de Oliveira – Arturinho
Foto: João O. Meira
Uma notícia triste.
Era um homem pacato, o Arturinho (Artur Dias de Oliveira) que andava sempre na sua “bicicleta pequenina” pelas ruas de Esposende e, muitas vezes, pelo meio da estrada, em situações perigosas.

Já fora avisado, muitas vezes, pelos seus amigos do perigo que o ameaçava, mas o Arturinho, na sua irreverência pouco ligava.
Falava, discursava para estranhas e conhecidas pessoas, sempre de uma forma respeitadora. Os transeuntes, como eu, quando avistávamos o Arturinho, mandávamos os bons dias ou boas tardes.
A sua bengala era a amiga de sempre.
Inesperadamente e, no meio da estrada, foi atropelado e faleceu tragicamente, no concelho de Esposende.
Esposende ficou mais pobre pela perda desta figura típica.
As ruas estão mais tristes, sem o nosso Arturinho! As pedras da calçada choram e as telhas dos nossos telhados lançam lágrimas de tristeza.

Paz à sua Alma.
Que Deus o acompanhe e o acolha no eterno Paraíso.

Carlos Barros.
Anúncios