A promoção de actividade física para a população idosa vai continuar a ser uma aposta do Município de Esposende, garantiu o Vereador do Desporto da Câmara Municipal de Esposende, esta manhã, na apresentação do Estudo do Programa “Dar Vida aos Anos”, que foi desenvolvido pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e Centro de Investigação em Desporto, Saúde e Desenvolvimento Humano (CIDESD).
Na sessão, que decorreu na Casa da Juventude, Rui Pereira referiu que este programa, que é promovido pela Autarquia e empresa municipal Esposende 2000 e que engloba um conjunto de actividades físicas orientadas, com o objectivo de melhorar a qualidade de vida e manutenção da autonomia da população idosa do concelho, é desenvolvido desde 1998, assinalando que, dez anos depois, mobilizava já cerca de 300 participantes.
Face a uma adesão cada vez mais crescente, o programa ganhou dimensão e foi descentralizado, pelo que, além das sessões de natação e hidroginástica nas Piscinas Municipais de Forjães e Piscinas Foz do Cávado e do treino da força no ginásio, são também desenvolvidas sessões de ginástica nas freguesias do concelho, nomeadamente nas sedes de junta e/ou instituições com valências para a terceira idade.

O Vereador Rui Pereira referiu que, além de uma intervenção relevante na área social direccionada para a comunidade idosa, a Câmara Municipal tem vindo a investir na promoção da actividade física desta franja da população como forma de lhe proporcionar bem estar, autonomia e qualidade de vida, garantindo que a aposta é para manter, apesar da conjuntura sócio-económica desfavorável. 

O estudo do programa “Dar vida aos Anos” pretendeu apurar que tipo de exercício físico e que metodologia devem ser utilizados e quais os seus reais efeitos, no sentido de dar um “passo em frente” no trabalho já realizado no Município, procurando, assim, que o exercício físico desenvolvido fosse optimizado, que fosse quebrado o estigma que qualquer actividade física servia para melhorar a qualidade de vida e autonomia dos idosos, e aumentar a excelência do programa.
O estudo que envolveu uma amostra global de 38 idosas, com idades compreendidas entre os 60 e os 78 anos, que foi dividida em 3 grupos: Grupo Controlo (7 idosas), Grupo de Treino de Hidroginástica (17 idosas) e Grupo de Treino de Força (14 idosas), sendo que as idosas do Grupo de Controlo mantiveram as suas actividades quotidianas e as restantes realizaram os respectivos treinos durante 24 semanas. Foram analisadas variáveis de autonomia funcional, cardiorespiratórias, densidade mineral óssea, marcadores sanguíneos relacionados com a saúde e variáveis psicossociais. A todas as variáveis, com excepção da densidade mineral óssea e marcadores sanguíneos relacionados com a saúde, que foram somente medidas no início e no fim do programa, foi acrescentado uma medição intermédia às 12 semanas.
Os resultados deste estudo revelam que ambos os programas de exercícios físicos promovem melhorias em vários indicadores de aptidão funcional e cardiorespiratória e que, ao nível psicológico, se verificou um aumento dos níveis de depressão do grupo de controlo, enquanto que os grupos praticantes de exercício físico tenderam a manter ou a diminuir os seus níveis depressivos.
Os resultados demonstram ainda a influência dos diferentes programas de exercício físico de uma forma idêntica em algumas variáveis analisadas e de um modo diferenciado noutras, apontando a importância de adoptar ou manter um estilo de vida activo na idade adulta avançada e a necessidade de diferenciar o tipo de exercício utilizado, consoante as necessidades reais e individuais das idosas.
A apresentação do estudo esteve a cargo do docente da UTAD José Vilaça, que deu a conhecer os resultados de Autonomia Funcional, Densidade Mineral óssea e Bioquímicos do estudo, e do investigador do CIDESD – UTAD, Hélder Miguel Fernandes, que apresentou os dados da vertente psico-social do estudo e falou sobre os benefícios a este nível da prática de actividade física.
A sessão contou também com a intervenção de Francisco Saavedra, professor auxiliar da UTAD, que abordou os benefícios da actividade física na terceira idade, e de Hélio Furtado, Director de Projectos da Secretaria de Qualidade de Vida e Envelhecimento Saudável da Prefeitura do Rio de Janeiro (Brasil), que deu a conhecer os projectos e políticas públicas de melhoria da qualidade de vida da população idosa desenvolvidas naquela cidade. Este referiu que o trabalho desenvolvido em Esposende, e do qual é conhecedor e apreciador desde 2008, serviu de modelo a muitas práticas que hoje são desenvolvidos numa cidade com mais de 6 milhões de pessoas.
Ainda em representação da UTAD, Victor Reis, responsável pelo estudo, felicitou a Câmara Municipal de Esposende pela promoção do Programa “Dar Via dos Anos”, desafiando os idosos presentes a cativarem outros para a prática do exercício físico, como forma de prevenirem e/ou minimizarem problemas de saúde.
Anúncios